23 de mar de 2009

Outono

// // 2 comments
O outono já chegou - aos arrufos do vento as folhas num desmaio embalam-se pelo ar...- vão caindo... caindo... uma a uma, em desalento e uma a uma, lentamente, vão no chão pousar... 
O céu perdeu o azul - vestiu-se de cinzento  e envolveu na neblina a luz baça do luar... 
- na alameda onde vou, de momento a momento, há um gemido de folha a cair e a expirar... 
O arvoredo transpira as carícias dos ninhos, e o vento a cirandar na curva das estradas eleva o folhareu no espaço em redemoinhos...
Há um córrego a levar as folhas secas em bando... 
- e à aragem que soluça entre as ramas curvadas, parece que o arvoredo em coro está chorando!...
Autor: (Jorge de Araújo)
Seus corações pulsavam acelerados, seus olhos esbraseavam. A face dela enrubescia, a máscara dele se desarranjava. Aos olhos daqueles dois amantes, naquele fim de tarde de outono, até um bucólico banco de praça, um gramado mal-cuidado, árvores – com seus galhos desnudos – e o céu anuviado revelavam um majestoso cenário. Ele era um Professor, ela – sua ex-aluna e hoje noiva – era pesquisadora, nas horas vagas, por hobby, fotógrafa. Ela, uma Sabe-Tudo insuportável. Ele, um Sonserino fastidioso. Tão antagônicos e, ao mesmo tempo, absurdamente idênticos.
No crepúsculo, o fulgurar insistente do flash de sua câmera, ao historiar aqueles tempos de regozijo, os cegava. Expressões e sorrisos marcavam suas faces. Beijos e mimos roubavam a cena. Todos que passavam olhavam, deslumbrados, a parelha de apaixonados. Severus tomou a mão da mulher adorada entre as suas, levantou-se e pediu a ela para acompanhá-lo. Caminharam. Para onde? Como reles e remota espectadora, não sei responder. Não, isto não é ensejo para preocupação. O casal, internamente, bem sabia para onde aquele caminho pedrado os arrastaria. A ternura, ricocheteada pelos ventos, lhes diria. O cantarolar dos pássaros os guiaria. O sol intruso, que abdicava de se pôr consumido pelas costas das montanhas, iluminaria, sucessivamente, suas condescendidas passadas.
 Autora: Thaiana (Miss Snape).
Fontes:Ilhado.com

2 comentários: Leave Your Comments

  1. Muito Lindo esse texto, adorei...
    Outono mexe comigo e me sinto em renovação.
    beijo e parabéns.

    Yandalla

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado Yandala realmente o Outono é uma das mais belas e inspiradoras estações do ano.

    ResponderExcluir